Contraste Cromático

De acordo com o dicionário, contraste é uma dessemelhança acentuada entre duas coisas. Na teoria cromática, é ele que vai definir e quantificar a diferença entre as cores. O contraste aumenta ou diminui proporcionalmente conforme a organização e a qualidade das cores da composição, afetando reciprocamente todas elas.

Apresentamos aqui alguns tipos de contrastes:

 

CONTRASTE DE TOM
É a justaposição entre dois matizes totalmente saturados. Basicamente, é o que nos faz distinguir e reconhecer cada tom individualmente. O contraste entre as cores primárias é tão forte quanto entre o preto e o branco.
Quando as cores são separadas por uma faixa branca ou preta, o efeito é acentuado.

 

 

 

CONTRASTE DE LUMINOSIDADE
É a relação entre cores de diferentes luminosidades. O auge desse tipo de contraste é entre o preto e o branco. O azul e o amarelo também exemplificam bem esse tipo de contraste.

 

 

 

CONTRASTE DE TEMPERATURA
Combinação entre os tons quentes e frios do círculo cromático. Neste tipo de contraste, intensificam-se as sensações térmicas motivadas pela justaposição de opostos. O que é frio parece mais frio; o que é quente parece mais quente. Quando duas cores quentes se sobrepõem, esfriam-se mutuamente.

 

 

 

CONTRASTE DE COMPLEMENTARES
Dá-se pelo confronto de duas cores opostas no círculo cromático. Essas cores quando dispostas lado a lado ressaltam uma a outra, equilibrando-se mutuamente – teoricamente por formarem um cinza neutro.
Esse tipo de contraste tem resultados demasiamente fortes, sendo necessário modular a saturação de uma delas para que a composição fique agradável.

 

 

 

CONTRASTE SIMULTÂNEO
Está diretamente relacionado ao contraste de complementares. É um processo fisiológico onde o olho, ao absorver uma determinada cor, busca a sua complementar, e, na ausência desta, tenta reproduzi-la na cor localizada mais próxima da original. Podemos então dizer que em uma composição, cada cor assume uma parte do tom complementar de outra.
O cinza neutro é o tom que recebe mais influência de outros tons, embora qualquer cor possa sofrer este efeito. Na imagem abaixo podemos perceber a atuação deste efeito. Perceba que o mesmo cinza neutro em um fundo azul tende a ser amarelado, e em fundo amarelo tende a ser azulado.

 

 

 

CONTRASTE SUCESSIVO
Também relacionado ao contraste de complementares e ao contraste simultâneo, é o fenômeno que ocorre quando o olho, após ser sensibilizado durante certo tempo por uma cor, produz sua complementar sobre uma superfície branca.
Olhe fixamente para esta imagem durante 30 segundos e depois foque em uma superfície branca.

 

 

 

CONTRASTE DE QUALIDADE
Qualidade de cor é o termo usado para definir seu grau de pureza, portanto, esse é o contraste relacionado ao uso de cores mais ou menos saturadas.

 

 

 

CONTRASTE DE QUANTIDADE
É a relação entre a extensão e a luminosidade de uma cor, alterando, com isso, sua força na composição.
Abaixo vemos uma relação proporcional e decrescente entre a luminosidade das cores, proposta por Goethe. Para que elas possam ficar equilibradas dentro de uma determinada ordem, é necessário que elas se compensem mutuamente.
Amarelo: 9
Laranja: 8
Vermelho: 6
Verde: 6
Azul: 4
Violeta: 3

Assim sendo, percebemos que o amarelo é três vezes mais luminoso que o violeta, necessitando, assim, que a área de violeta seja três vezes maior do que a do amarelo, para que ambas estejam em equilíbrio. O vermelho e o verde, por terem a mesma luminosidade, estarão em equilíbrio se aplicados na mesma quantidade.

 

 

É importante salientar que esta tabela não representa uma verdade absoluta. Vários fatores podem alteram a percepção dessas cores, como o suporte, tipo de tinta, luz ambiente, saturação, dentre outro

 

***

Publicado originalmente no portal “Fotografar, Vender, Viajar”, em 12/04/2009

Deixe um comentário