Temperatura de Cor

Muito se associa o conceito de temperatura de cor com a sensação térmica psicológica que elas causam ou com o calor físico dissipado por uma fonte de luz, mas na verdade o termo é usado para indicar com precisão a cor aparente de uma luz emitida, ou seja, o seu matiz.

O uso do termo temperatura está associado aos experimentos do físico britânico William Thomson, também chamado de Lord Kelvin, que no século XIX criou um método que podia mensurar o desvio da luz branca e definir exatamente quando um corpo começa a irradiar luz visível. Esse experimento consistia em aquecer um bloco de carbono (mais tarde chamado de “corpo negro”) até o ponto de sua fusão. Kelvin percebeu que o calor faz com que um corpo comece a produzir energia, e conforme a sua temperatura aumenta, produz luz em diversos comprimentos de ondas visíveis, gerando vários matizes. Até certa temperatura as ondas de calor irradiam ondas infravermelhas, portanto não visíveis aos olhos, passando por todas as ondas do espectro visível até chegar às ondas ultravioletas, também invisíveis aos olhos humanos. A partir dessas temperaturas, aferidas na grandeza Kelvin (onde 0K = -273,3ºC), criou-se uma escala que relaciona um matiz gerado por uma fonte de luz com o calor necessário para consegui-lo.

 

 

Percebemos através da imagem acima que, ao contrario do fenômeno psicológico, quanto maior a temperatura de cor, mais ela tende ao azul, portanto menor é a sensação psicológica de calor e vice-versa. Temperatura de cor e temperatura psicológica da cor são conceitos inversamente proporcionais.

 

TEMPERATURA CORRELATA DE COR (TCC)

Todo corpo que recebe calor emite radiação. Um ferro de passar, por exemplo, quando ligado emite ondas de calor sensíveis ao tato. Porém, essa radiação, por ter uma temperatura baixa, não é visível aos olhos, estando na faixa das ondas infravermelhas. Entretanto nem toda fonte de luz necessita da mesma quantidade de energia para acelerar os átomos e assim gerar luz em seu espectro visível. Isso quer dizer que quando nos referimos a um matiz com temperatura X, isso não quer dizer necessariamente que ele alcance aquela temperatura física, mas que, por analogia, seu matiz tem o valor igual ou parecido com um matiz gerado por incandescência naquela determinada temperatura. Isso se chama temperatura correlata de cor. Sendo assim, qualquer fonte de luz que não trabalhe por incandescência ou que têm seu matiz alterado por algum meio, são analisadas por TCC.

Um modo fácil de entender esse conceito é pensar numa lâmpada comum. Este tipo de lâmpada atua pelo aquecimento de um filamento que transforma energia elétrica em energia térmica e em luz. Este filamento quando aquecido pode chegar até 3000ºC (3273 K), que faz com que a luz emitida por ele seja de tom amarelo-alaranjado. Ao usarmos esta lâmpada diante de uma superfície translúcida azul, estamos aumentando a sua temperatura de cor para uma temperatura de cor correlata sem alterar a sua temperatura física.

 

LUZES QUENTES E FRIAS

Há uma grande confusão a respeito das terminologias “luz quente” e “luz fria”. Não é para menos, pois misturam-se aqui três conceitos: o calor que uma luz produz, a temperatura de cor e a sensação psicológica que esta luz provoca.

Uma lâmpada fluorescente comum pode chegar até 6500K de temperatura correlata de cor, porém, ela tem uma radiação de calor menor que uma lâmpada de filamento. Isso acontece porque elas trabalham não com incandescência, mas usam a eletricidade para energizar os átomos dos gases que compõem sua estrutura. Por esta baixa emissão de calor, são chamadas de lâmpadas de “luz fria”. Embora a luz seja fria, ela pode assumir qualquer temperatura de cor dependendo de como foi balanceada, e é essa temperatura de cor que vai influenciar, em ordem inversa, nos aspectos psicológicos do observador.

Ou seja, uma mesma fonte de luz pode assumir três aspectos distintos: temperatura física (irradiação de calor), temperatura de cor (matiz) e temperatura psicológica (cores frias e quentes). Abaixo estão alguns exemplos de como esses três fatores podem se misturar em uma mesma referência luminosa:

Lâmpadas incandescentes: Luz quente (alta dissipação de calor), de baixa temperatura de cor (3000K) produzindo uma cor de temperatura psicológica quente (amarelo);

Lâmpadas incandescentes com filtro azul: Luz quente (alta dissipação de calor), de alta temperatura de cor (supondo entre 4000 e 5000 k) produzindo uma cor de temperatura psicológica fria (branco-azulado);

Lâmpadas Fluorescentes daylight: Luz fria (baixa radiação de calor), de alta temperatura de cor (5500K), produzindo uma cor de temperatura psicológica fria (branco-azulado).

Lâmpadas Fluorescentes XX: Luz fria (baixa radiação de calor), de baixa temperatura de cor (4000K), produzindo uma cor de temperatura psicológica quente (branco-amarelado).

Obs.: Como visto anteriormente, sempre uma temperatura de cor baixa vai gerar uma cor psicológica alta e vice-versa.

 

A LUZ DO SOL

A luz do sol, também denominada luz natural, é utilizada como referência de ideal de iluminação, pois todos os seus comprimentos de ondas estão em harmonia, gerando assim a luz branca. Ela naturalmente é a mesma em todos os horários, porém a sua temperatura de cor pode variar por causa da sua posição em relação à atmosfera terrestre, que filtra determinadas cores pelas partículas de poeira, poluição e água entre as moléculas de gás que a compõe.

As ondas de maior comprimento, como os tons avermelhados, contornam os obstáculos mais facilmente, enquanto as curtas, como os azulados, são desviados e acabam se espalhando pelo céu. Por isso o sol nos parece amarelo, pois é a mistura das ondas longas que chegam até nossos olhos.

Conforme o sol muda sua posição em relação à Terra, seus raios têm uma área maior para atravessar e as ondas longas também vão sendo espalhadas no céu em ordem crescente até chegar ao vermelho, que por ser a cor de maior comprimento de onda, é a última a desaparecer até que o sol esteja totalmente abaixo do horizonte.

 

 

 

ÍNDICE DE REPRODUÇÃO DAS CORES (IRC)

O IRC é uma unidade de medida usada para avaliar o quanto a luz artificial se aproxima da natural. Quanto mais próximo de 100% for o índice de uma fonte de luz, mais fiel será a reprodução de uma cor. Abaixo está listada uma faixa provável de IRC:

Abaixo de 50% – reprodução precária
Entre 50% e 80% – reprodução satisfatória
Entre 80% e 90% – reprodução boa
Entre 90% e 100% – reprodução excelente

 

GUIA DE CORRELAÇÃO

A tabela a seguir mostra diversas fontes de luz com as respectivas temperaturas de cor correlatas

25.000K  – Céu de Dia no Pólo Norte
13.000K – Céu Ligeiramente Encoberto
12.000K a 9.000K  – Céu Azul Aberto
7.500K a 6.500K – Céu Encoberto
6.500K – Lâmpada Fluorescente do tipo “Luz do Dia”
6.000K – Lâmpada de Mercúrio
6.000K a 5.500K – Luz do Sol durante a maior parte do Dia
5.600K a 5.500K – Flash Eletrônico
5.500K a 5.000K – Luz do Sol ao Amanhecer ou Entardecer
5.000K – Lâmpada de Xenônio (projetores atuais de cinema)
4.500K – Arco Voltaico (projetores antigos de cinema)
4.500K – Lâmpada Fluorescente do tipo “Branca Fria”
4.100K – Luz do Luar em noite de Lua Cheia
4.000K – Lâmpada de Flash do tipo Bulbo
3.500K – Lâmpada Fluorescente do tipo “Branca Quente”
3.400K – Lâmpada de Estúdio Photo-Flood tipo A
3.200K – Lâmpada de Estúdio Photo-Flood tipo B (Halógena)
3.200K – Nascer / Pôr do Sol.
3.000K – Lâmpada Incandescente Comum (tungstênio) 200W
2.680K Lâmpada Incandescente Comum (tungstênio) 40W
2.000K – Lâmpada de Vapor de Sódio (iluminação pública)
1.700K – Candeeiro / Luz de Vela
1.200K – Luz do Fogo

***

Publicado originalmente no portal “Fotografar, Vender, Viajar”, em 21/05/2009

Deixe um comentário